Notícias Sinpro-AL

Sinpro Solidário: doação de sangue

O Sr.  LEANDRO DE OLIVEIRA GONZAGA, necessita urgente de doação de sangue.

Quem puder colaborar com esse ato de solidariedade basta ir ao Hemopac que fica na Praça Centenário, em Maceió, das 07h30min às 11h e das 13h às 16h e informar o nome da paciente.

Vale ressaltar que qualquer tipo de sangue é bem vindo, pois o sistema de “permuta” é realizado quando você informar para quem será sua doação.

Doe sangue, doe vida!

Sinpro/AL irá participar de Seminário de Formação Sindical

Com o objetivo de debater formas de fortalecimento das entidades sindicais e estimular a difusão de conhecimento, a Procuradoria Regional do Trabalho e as centrais sindicais realizarão o I Seminário de Formação Sindical MPT – Centrais Sindicais nos dias 23 e 24 de novembro no auditório do Sindicato dos Bancários. Os diretores do Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL) estarão presentes.

O foco do seminário é a Reforma Trabalhista e o Planejamento Sindical. O Procurador do Trabalho Cássio Araújo Silva destaca que a reforma trabalhista veio para piorar a vida dos trabalhadores. “O outro lado (empresário) diz que ficará melhor, mas ficará melhor para eles. É pior ao conjunto da sociedade, porque vai causar o empobrecimento dos trabalhadores, que também são consumidores. Isso vai acarretar uma diminuição do consumo da economia, consequentemente, da produção. Vai enriquecer os mais ricos e empobrecer os mais pobres, piorando as condições de trabalho”, alerta.

O Procurador do Trabalho revela que a reforma trabalhista não estimula o aperfeiçoamento da economia, dos incentivos para melhorar a tecnologia e a qualificação profissional. “O país, ao invés de fortalecer os instrumentos para enfrentar a globalização, está usando instrumento para se enfraquecer. Continuará um exportador de commodities (produtos de origem primária), de coisa barata com mão de obra barata e desqualificada. Se isso vai gerar emprego, vai ser emprego de baixa qualidade”, afirma.

Cássio Araújo esclarece que um dos grandes pontos da reforma é o trabalho intermitente, que, segundo ele, é a legalização do bico. “Você vai ter uma carteira de trabalho, mas não terá a garantia que receberá salário, férias, décimo terceiro. É um bico com carteira assinada. Você trabalha hoje, mas não sabe quando será chamado novamente. É a legalização da incerteza. Vai ter a carteira assinada, mas sem direitos”.

Encontros

Os representantes das centrais sindicais e sindicatos vão se reunir com o Procurador do Trabalho para definir a programação do seminário, nesta quinta-feira (16), às 14h30, na Procuradoria Regional do Trabalho.

Para a programação, já estão confirmadas as palestras da professora da Ufal Alba Correia, do presidente da Comissão da OAB/SP, César Augusto de Melo, do Humberto Barbosa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e do Procurador do Trabalho Cássio Araújo.

Seminário

O seminário é gratuito será aberto aos trabalhadores, aos movimentos sociais, aos sindicatos e à população em geral. Inscrição no local do evento.

Das entidades, estão participando a CSP-Conlutas, a CTB, Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), a CUT, a UGT, Força Sindical, o Sindipetro-AL, o Sindjus-AL e o Dieese.

Contato:
Procurador do Trabalho Cássio Araújo – 82 9-9982-8958

Reforma pode criar aberrações no trabalho de professores

Os 100 artigos da CLT modificados pela Lei 13.467, a Reforma Trabalhista, passam a valer na prática a partir de 11 de novembro (sábado) / Reprodução FreeImages

Presidentas das duas maiores centrais sindicais de Minas, CUT e CTB, são também as presidentas dos sindicatos dos professores da rede pública e da rede particular no estado, respectivamente. E isso pode não ser uma coincidência. “O mesmo golpe que aprova a reforma, está querendo comprometer o projeto de educação do país”, afirma Valéria Morato, presidenta da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e do sindicato dos professores da rede particular (Sinpro).

Os 100 artigos da CLT modificados pela Lei 13.467, a Reforma Trabalhista, passam a valer na prática a partir de 11 de novembro (sábado) e traz duras consequências às salas de aula. A primeira delas, segundo lembra Valéria, é justamente remunerar o trabalho do professor apenas pelas horas que ele está em sala. “O professor tem um fazer diferente”, explica, “precisa conhecer sua turma, corrigir provas e trabalhos, enviar e-mails, traçar projeto pedagógico”, lista Valéria.

O não pagamento pelo trabalho extraclasse pode ser possível através do contrato por trabalho intermitente. Até abril, o acordo coletivo que rege a maior parte das escolas particulares de Minas Gerais prevê que o contrato de professor é anual, com adicional de 20% pelo trabalho extraclasse, adicional por tempo de serviço e de 16% por repouso remunerado. Tudo isso estaria em cheque com a contratação intermitente, terceirização e negociação individualizada.

“Vai funcionar da mesma forma que o fast food”, explica Valéria, lembrando da empresa terceirizada que já anuncia o pagamento de R$ 4,45 por hora. “Vamos imaginar um curso semestral. A escola pode organizar todo o módulo de português em alguns dias. Contrata o professor por esses dias como pessoa jurídica e depois o dispensa”, afirma.

Segundo o Sinpro, professores podem perder a mínima estabilidade no emprego, o décimo terceiro salário, as férias remuneradas, um mês completo de férias (estabelecido geralmente em janeiro) além de ter que negociar individualmente seu salário e adicionais com o patrão. Mudanças que Valéria classifica como “aberrações”.

A Reforma para professores estaduais

Mesmo tendo legislação própria, professores da rede estadual devem sofrer com a Reforma, acredita Beatriz Cerqueira, presidenta da Central Única dos Trabalhadores (CUT Minas) e do Sindicato Único dos Trabalhadores da Educação (SindUTE MG). “Nós temos uma tradição de se aplicar no setor público a legislação do setor privado”, lembra Beatriz, em que o principal impacto deve ser também na contratação.

“Traz a terceirização irrestrita. Nós corremos o risco de rapidamente deixar de ter políticas de concurso público e contratações diretamente feitas pela administração pública em lugar do aumento de uma rede de terceirização, inclusive para as atividades fins. Traduzindo: um professor pode ser terceirizado. Todas as atividades da escola podem ser terceirizadas”, crava.

O segundo grande impacto, segundo Beatriz, é o ataque que a reforma faz à organização dos trabalhadores, hoje representada pelos sindicatos. “O objetivo de acabar com a organização sindical não é pelo motivo financeiro, mas para fragilizar o trabalhador e garantir que o empresário possa impor a sua vontade, impor a sua dinâmica de negociação sem que tenha resistência e organização coletiva”, diz.

Os principais artigos que impactam os sindicatos são a negociação direta do trabalhador com patrão, a extinção do imposto sindical obrigatório, a demissão em massa sem acordo com sindicato e as comissões de trabalhadores que poderão substituir o sindicato. Destes itens, as presidentas da CUT Minas e CTB Minas concordam que a retirada do sindicato das negociações é sem dúvida das mais preocupantes.

“Na negociação individual é claro que o trabalhador vai perder em relação ao patrão, que tem poder econômico e no nosso caso [rede pública estadual] também político. Isso atinge o setor público que já não tinha regulamentação da negociação coletiva. Com essa Reforma Trabalhista nós estaremos ainda mais sujeitos a uma negociação que anule os sindicatos ou a completa ausência destas negociações”, alerta Beatriz Cerqueira.

A presidenta da CUT Minas comenta ainda que, com a Reforma aprovada, passa a ser fundamental pressionar que governos progressistas não façam adesão dos novos artigos contra os funcionários públicos. Os eletricitários de Minas Gerais já reivindicam, por exemplo, que a empresa estatal Cemig assine uma cláusula de que não vai utilizar a Reforma Trabalhista contra seus 6 mil funcionários.

Ao caminho: à luta

Centrais sindicais, movimentos populares e partidos fazem em 10 de novembro o Dia Nacional de Paralização e Mobilização, com atividades marcadas em todos os estados. O objetivo é dialogar com a população sobre os estragos que a Reforma Trabalhista e a Lei de Terceirização estão para causar. Além disso contribuem para retomar com a população o debate sobre a o trâmite da Reforma da Previdência, que entra novamente na pauta do Congresso Nacional.

 

Rafaella Dotta
Brasil de Fato
Edição: Frederico Santana

Sinpro/AL notifica colégio por atrasos salariais

O colégio São Judas Tadeu, localizado na Serraria, foi notificado pelo Sindicato dos Professores (Sinpro/AL) devido a não assinatura do contrato de trabalho com os educadores na carteia de trabalho, o não recolhimento do FGTS e de verbas previdenciárias.

A entidade classista ainda detectou os frequentes atrasos salariais e que boa parte dos docentes não estão sendo pagos desde o mês de agosto.

O Sindicato pediu para o colégio São Judas Tadeu apresentasse as cópias dos holerites dos professores dos últimos quatro meses comprovando a quitação do pagamento salarial, além dos demais documentos que demonstram o recolhimento do FGTS e INSS dos professores.

O estabelecimento de ensino tem um prazo de cinco dias para que os documentos sejam entregues com as devidas comprovações.

Caso o Sindicato dos Professores de Alagoas não obtenha resposta em tempo hábil, a assessoria jurídica do Sindicato ingressará com uma Ação Civil Pública na Justiça do Trabalho para que todas as pendências financeiras sejam sanadas.

Somos professores como orgulho e exigimos respeito!

Feriado: 15 de novembro

Devido o feriado de Proclamação da República, amanhã (15/11), o Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL) informa para categoria que não haverá funcionamento. As atividades serão retomadas na quinta-feira, 16/11, em seu horário normativo, de 9h às 15h.

 

Desde já a diretoria do Sinpro/AL agradece a compreensão dos docentes

Somos professores com orgulho e exigimos respeito!

Sindicato dos Professores de Alagoas chega a 4 mil curtidas em fanpage

Queremos agradecer aos professores e a todos da rede de ensino pela confiança e por acompanhar o trabalho feito pela unidade classista para melhorar cada dia mais a vida dos nossos professores e a educação em no Estado de Alagoas.

Acesse o facebook do Sinpro/AL e fique por dentro das notícias de interesse da categoria: https://www.facebook.com/Sindicato-dos-Professores-do-Estado-de-Alagoas-172438799538660/?fref=ts

Somos professores com orgulho e exigimos respeito!

Sinpro Saúde: Plantão Psicológico será realizado dia 22

NAP pode ser solicitado por estabelecimentos de ensino

O Núcleo de Apoio Psicológico (NAP) desenvolvido pelo psicólogo do Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL), Albery Ferreira Lima (CRP 15/4271), vai realizar dia 22 de novembro, mais um Plantão Psicológico.  O trabalho será ofertado na sede do Sinpro/AL para professores, cônjuges e filhos de 9h às 15h, todas as quartas.

A diretoria do Sinpro/AL segue engajada em defesa da categoria e desenvolvendo ações em prol da saúde dos educadores.

O NAP tem o intuito de ofertar os seguintes serviços:

1) Acolhimento dos profissionais da educação, cônjuges e filhos;

2) Encaminhamento para psicoterapia;

3) Grupos (operativos, institucionais, comunitários e auto-ajuda);

4) Promover palestras, workshop, seminários e

5) Contribuir para capacitação, treinamento e desenvolvimento profissional.

Vale lembrar que o atendimento aos docentes filiados ao Sindicato dos Professores de Alagoas deverá ser agendado pelo contato: 3313-3607 ou pelo endereço sinprosaude.al@gmail.com de segunda a sexta de 9h às 15h.

Atenção, estamos em novo endereço: Rua Santa Cruz, número 352, no bairro do Farol, em Maceió.

Somos professores com orgulho e exigimos respeito!

Presidente do Sinpro/AL cumpre agenda em Penedo

O presidente do Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL), Eduardo Vasconcelos, encaminhou à Câmara Municipal de Penedo o projeto que fica vedado à administração pública direta e indireta negar efeito aos títulos de pós-graduação strictu sensu, obtidos de forma integralmente presencial em Universidades nos países do Mercosul e em Portugal.

O dia em Penedo foi intenso, várias entrevistas foram concedidas à Rádio Penedo FM, à Rádio Grande Rio FM e à Rádio Francês FM. A direção do Sindicato agradece aos radialistas Rafael Medeiros, João Lucas e Raul Rodrigues pelo espaço concedido e pela receptividade.

À tarde, o presidente da unidade classista, esteve presente na sessão da Câmara de Vereadores de Penedo, onde teve a oportunidade de apresentar o projeto de lei aos vereadores da cidade histórica ribeirinha.

Agradecemos a todos os vereadores e a vereadora presentes na sessão, mas em especial aos vereadores Antônio Júnior, presidente da Casa Legislativa, Derivan, Nelsinho, Flávio e João Lucas

“A admissibilidade de diploma estrangeiro vai assegurar a atuação de professores capacitados, o que implica na melhoria da qualidade de ensino e, como consequência, na melhoria dos indicativos na área educacional de Alagoas, junto ao Ministério da Educação (MEC), e melhores resultados nas avaliações nacionais e internacionais”, enfatizou o professor Eduardo.

Somos professores com orgulho e exigimos respeito!

Sinpro Saúde: Campanha Novembro Azul

O mês de novembro é marcado pelas ações do Novembro Azul, movimento mundial em prol da prevenção do câncer de próstata, o segundo tipo mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele. Por esse motivo, o exame preventivo é fundamental para o diagnóstico precoce, que aumenta as chances de cura do paciente.

No entanto, muitos homens ainda deixam de fazer o exame de toque retal e se expõem aos riscos da doença por puro preconceito. É justamente para combater esse tabu que foi criado o Novembro Azul, uma forma de ampliar o debate que antes ficava mais concentrado no dia 17 de novembro, quando é celebrado o Dia Mundial de Combate do Câncer de Próstata.

As visitas médicas devem ocorrer anualmente, a partir dos 45 anos de idade. Se tratado no início, o tumor de câncer na próstata tem amplas possibilidades de cura, o que não acontece em relação aos diagnósticos tardios. Se o tumor se expandir para além da próstata, poderá inclusive atingir outros órgãos.

O Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL), apoia e reforça o alerta aos nossos profissionais da educação, para se prevenir e cuidar sempre da saúde.

O que é a próstata

A próstata é uma pequena glândula localizada entre a bexiga e a pélvis do homem, responsável por produzir parte do líquido que forma o esperma, também ajuda a alimentar e proteger os espermatozóides.

O movimento surgiu na Austrália, em 2003, chamado Movember, aproveitando as comemorações do Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, realizado a 17 de novembro.

A Campanha

No Brasil, o Novembro Azul foi criado pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, com o objetivo de quebrar o preconceito masculino de ir ao médico e, quando necessário, fazer o exame de toque, e obteve ampla divulgação. Em 2014, o Instituto realizou 2.200 ações em todo o Brasil, com a iluminação de pontos turísticos (como Cristo Redentor, Congresso Nacional, Teatro Amazonas, Monumento às Bandeiras), adesão de celebridades (Zico, Emerson Fittipaldi, Rubens Barrichello), ativações em estádios de futebol, corridas de rua e autódromos, além de palestras informativas, intervenções em eventos populares e pedágios nas estradas.

Em vários países, o Movember é mais do que uma simples campanha de conscientização. Há reuniões entre os homens com o cultivo de bigodes (ao estilo Mario Bros), símbolo da campanha, onde são debatidos, além do câncer de próstata, outras doenças como o câncer nos bagos, depressão masculina, cultivo da saúde do homem, entre outros.

Projeto de Lei de iniciativa do presidente do Sinpro/AL é destaque na imprensa

O portal de notícias “Aqui acontece” repercutiu atuação do professor Eduardo Vasconcelos, presidente do Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL). Confira a íntegra da matéria que fala sobre o Projeto de Lei de iniciativa do educador:

O presidente do Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL), Eduardo Vasconcelos, encaminhará para Câmara Municipal de Penedo um projeto que fica vedado à administração pública direta e indireta municipal negar efeito aos títulos de pós-graduação strictu sensu, obtidos de forma integralmente presencial em Universidades nos países do Mercosul e em Portugal.

A medida visa o reconhecimento dos educadores e demais membros da sociedade que passaram pelas devidas especializações.

“A admissibilidade de diploma estrangeiro vai assegurar a atuação de professores capacitados, o que implica na melhoria da qualidade de ensino e, como consequência, na melhoria dos indicativos na área educacional de Alagoas, junto ao Ministério da Educação (MEC), e melhores resultados nas avaliações nacionais e internacionais”, enfatizou Eduardo.

Coso o projeto seja aprovado, os diplomas de pós-graduação ao nível de especialização, mestrado e ou doutorado, expedidos por Instituições de Ensino Superior regulares dos Estados membros do Mercosul e Portugal passam a ser admitidos pela administração Municipal de Penedo.

Vale ressaltar que o referido projeto já foi aprovado em alguns estados e em alguns municípios, como exemplo: Amazonas e Aracaju.

Veja também através do link: http://www.aquiacontece.com.br/noticia/penedo/08/11/2017/valorizacao-do-professor-presidente-do-sinproal-encaminhara-projeto-para-camara-de-penedo/125351