Notícias Sinpro-AL

Sinpro/AL realiza ato da campanha “Apagar o Professor é Apagar o Futuro” em Rio Largo

A diretoria do Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL) e colabores estiveram no município de Rio Largo realiza mais uma panfletagem da campanha nacional idealizada pela Contee, “Apagar o Professor é Apagar o Futuro”, para informar a população sobre os riscos que as reformas propostas pelo Governo Federal trazem para várias áreas, principalmente educação, com a desconstrução da docência.
 
O ato é a continuidade de várias panfletagens idealizadas pelo Sinpro/AL contra as reformas do governo Temer. Essa ação é de enfrentamento e resistência contra a perda de direitos sociais que os projetos estão propondo. A entidade classista vem desenvolvendo a campanha “Apagar o Professor é Apagar o Futuro” em dezenas de cidades.
 
“É importante a unidade do movimento sindical, pois mostra que o conjunto da organização da classe trabalhadora não concorda com a tramitação de um conjunto de projetos construído unilateralmente para beneficiar o setor patronal”, destacou o presidente do Sinpro/AL, Eduardo Vasconcelos.
 
Sobre a falta de diálogo do Governo com a classe trabalhadora, Vasconcelos colocou: “Em nenhum momento a sociedade participou da redação dessas propostas, fomos ouvidos, mas nenhuma proposta foi aceita porque existe uma pressa fora do normal para aprovar esses projetos que são tão danosos para a população”.
 
Somos professores com orgulho e exigimos respeito!
 

Sinpro/AL pede que escola apresente comprovante de quitação dos professores

O colégio do Sagrado Coração de Maria, localizado no Prado, em Maceió,  foi notificado pelo Sindicato dos Professores (Sinpro/AL) devido a não assinatura do contrato de trabalho com os educadores na carteia de trabalho, o não recolhimento do FGTS e de verbas previdenciárias.

A entidade classista ainda detectou que o décimo terceiro salário, nem as férias dos docentes não foram pagas pelo estabelecimento de ensino aos docentes.

O Sindicato pediu para o colégio Sagrado Coração de Maria apresentasse as cópias dos holerites dos professores dos últimos quatro meses comprovando a quitação do pagamento salarial, além dos demais documentos que demonstram o recolhimento do FGTS e INSS dos trabalhadores.

Caso o Sindicato dos Professores de Alagoas não obtenha resposta em tempo hábil, a assessoria jurídica do Sindicato ingressará com uma Ação Civil Pública na Justiça do Trabalho para que todas as pendências financeiras sejam sanadas. Outra medida adota pela diretoria do Sinpro/AL será encaminhar as denúncias ao Ministério Público do Trabalho  e Ministério do Trabalho e Emprego

Somos professores como orgulho e exigimos respeito!

Contribuição Sindical continua obrigatória, segundo Justiça

A Lei nº 13.467/2017, conhecida como Lei da Reforma Trabalhista, alterou a redação de alguns artigos da CLT os quais tratam da contribuição sindical. Com a nova redação dada a  esses artigos, a princípio, a contribuição sindical passou a ser facultativa.

Ocorre que, recentemente, foram proferidas duas decisões pela Justiça do Trabalho de Santa Catarina nas quais prevaleceu o entendimento da manutenção da obrigatoriedade da contribuição sindical.

A tese adotada pela Justiça do Trabalho de Santa Catarina é de que a contribuição sindical possui natureza jurídica de tributo, consequentemente, aplica-se o disposto nos artigos 146 e 149 da Constituição Federal.

O inciso III do artigo 146 determina que cabe a lei complementar estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária. Sendo assim, “qualquer alteração que fosse feita no instituto da contribuição sindical deveria ter sido feita por Lei Complementar e não por Lei Ordinária”, ou seja, “existe vício constitucional formal, de origem, impondo-se a declaração da inconstitucionalidade de todas as alterações promovidas pela Lei Ordinária nº 13.467/2017 no instituto da contribuição sindical”.

Além das decisões da Justiça do Trabalho de Santa Catarina, estão tramitando 5 ações diretas de inconstitucionalidade (ADI)  no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando a constitucionalidade das alterações promovidas nos artigos da CLT que tratam da contribuição sindical. A tese utilizada nestas ações no STF é a mesma adotada pela Justiça do Trabalho de Santa Catarina.

O retorno da obrigatoriedade da contribuição sindical também está sendo discutido na Medida Provisória nº 808, através de  967 emendas apresentadas por parlamentares e, dentre estas, várias preveem o retorno ao texto antigo da CLT, ou seja, o retorno da contribuição sindical obrigatória. Esta MP altera alguns pontos da Reforma Trabalhista.

Além disso, foram apresentadas outras emendas à MP que preveem a regulamentação da chamada “contribuição negocial”, prevista no artigo 7º da Lei nº 11.648/2008.

O que se verifica é que tanto o judiciário quanto o legislativo estão discutindo a manutenção ou retorno da obrigatoriedade do pagamento da contribuição sindical e que, portanto, é cedo para se afirmar, categoricamente, que a contribuição sindical passou a ser facultativa,  e um eventual retorno à obrigatoriedade poderá gerar um passivo para as empresas, incluindo juros e multas.

Por: Luiza Paula Gomes, advogada do TI Rio

Sinpro/AL leva campanha “Apagar o Professor é Apagar o Futuro” até Penedo

Como parte da campanha da Contee, “Apagar o Professor é Apagar o Futuro”, dirigentes e funcionários do Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL) fizeram panfletagem na feira livre da cidade histórica de Penedo.

De acordo com o presidente do Sinpro de Alagoas, Eduardo Vasconcelos, a intenção da ação foi conscientizar as pessoas para o desmonte realizado em várias áreas pelo governo Temer.

“A proposta é alertar a população para a real situação do Brasil no momento pós-reformas”, explicou o professor.

Ainda de acordo com Vasconcelos, apesar das campanhas consecutivas, ainda é necessário desenvolver as ações de conscientização da real situação do desmonte de vários setores estratégicos da Nação.

Imprensa vem repercutindo trabalho realizado pela entidade classista

“Ainda existe muita desinformação sobre o projeto nefasto do atual governo”, afirmou Emerson Mamede, secretário-geral do Sinpro de Alagoas, que também esteve presente em Penedo.

Durante a panfletagem, as pessoas que estavam na feira aceitaram bem a campanha que vai ter sua continuidade até o final do primeiro semestre.

Sinpro Solidário: professora necessita de ajuda para tratamento de saúde

A professora Luzinete Vicente conta com a solidariedade dos colegas e da sociedade para arrecadar fundos para seu tratamento de saúde contra o câncer.

Luzinete teve atuação destacada como profissional da educação no município de Murici.

Desde já o Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL) agradece todas as pessoas que puderem colaborar com esse ato de solidariedade.

As doações podem ser realizadas através da seguinte conta da Caixa Econômica:

Agência: 3549

Conta: 1573-9

Operação: 013

Titular: Luzinete Vicente da Silva

Presidente do Sinpro/AL é o entrevistado nesta quarta-feira do programa “Perguntar não ofende”

O presidente do Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL), Eduardo Vasconcelos, é o entrevistado nesta quarta-feira, 17/1, às 22h, do programa Perguntar Não Ofende na TV Maceió, canal 12 da NET.

Durante a entrevista Vasconcelos fala sobre a mercantilização da educação privada, o sucateamento da educação pública, sua atuação na gestão do Sinpro/AL e muito mais.

Veja a chamada do programa:

 

 

Mestres sob pressão: quando o sonho de lecionar vira um pesadelo

Professora Flávia Farias: prazer de ensinar virou drama, assédio sexual e moral

A professora Flávia Farias, de 45 anos, realizou seu sonho de lecionar há 25. Dedicou a maior parte dos seus dias a dar aulas de todas as Ciências Humanas: Geografia, História, Filosofia e Sociologia. Com a rotina exaustiva, dia após dia, a professora foi se sentindo infeliz pelas cobranças, pela falta de respeito de alguns alunos e pelo salário injusto, até não conseguir mais voltar para a sala de aula.

“Sempre dei aula em escola pública e particular. Na pública os alunos da tarde são mais problemáticos do que os da noite, que já são adultos. Você percebe que o objetivo mais importante dos menores é manter os programas sociais da família. Eles não entram no horário da sala de aula e saem quando querem. As gestões das instituições, diretores, coordenadores, muitas vezes, são coniventes com esse comportamento, deixando a responsabilidade para nós, professores. É uma relação muito desigual. Enquanto o professor sofre muita pressão, não pode se atrasar, os alunos entram e saem quando querem”, relata Flávia.

A professora comenta que os alunos chegam a intimidar os professores apenas com o jeito que olham.  “Já sofri assédio sexual de aluno e tive os quatro pneus do meu carro furados enquanto dava aula em escola de periferia”, lembra.

Apesar de sofrer com esse comportamento de seus alunos, a professora sempre tentou entender os adolescentes. “Na escola pública os alunos em si querem de fato aquela oportunidade, só que eles se sentem aviltados com o abandono da coisa pública. A instituição de ensino degradada. Então paro o adolescente, é muito difícil ser mal recebido, entrar numa sala suja e mal conservada, além de todos os problemas sociais, familiares, culturais, financeiros, o contato com o tráfico de drogas, a sexualidade precoce. Nós temos que lidar com isso todos os dias”, explica.

Já nas instituições particulares, a professora relata que o assédio é diferente. “Os alunos são arrogantes e boa parte dos pais incentiva esse comportamento. Alguns chegam a ficar na porta da escola esperando o professor para tirar satisfações. Muitas escolas já evitam que pais e professores tenham contato”, relata.

Não bastasse todo o estresse sofrido na profissão, trabalhar até quinze horas por dia e ainda corrigir provas quando finalmente pode estar em casa, ter o casamento desgastado pela falta de tempo para se dedicar aos programas de casal com o marido, Flávia chegou ao fundo do poço. “Toda a minha doença foi somatizando durante dez anos, e mesmo quando entendi que tinha depressão aguda, eu a escondi e continuei dando aula. Cheguei ao ponto de sair da escola para o hospital passando mal todos os dias. Dar dois dias de aula, faltar um e o médico me pedindo para parar. Mas eu insisti. Era o meu sonho. Até que um dia perdi meu filho mais velho. Foi o estopim da doença”, relata.

Suicídio, estigma e assédio moral

Tem três anos que o filho de Flávia tirou a própria vida em casa, sem nenhum motivo aparente, fazendo o mundo da professora desabar completamente. “Meu filho não bebia, não usava drogas, tinha uma namorada linda, estava na universidade. Ele foi meu aluno durante três anos e eu fui madrinha da turma dele. Era um aluno brilhante, eu gostaria de ter uma resposta para o que ele fez, mas eu não tenho”, desabafa.

Sete dias depois do enterro, Flávia estava de volta à sala de aula. Ela acreditava que seria acolhida no ambiente escolar e que a volta ao trabalho pudesse amenizar sua dor.

“Eu achei que quando voltasse seria acolhida pelos meus alunos, mas passei a ser perseguida. Fui massacrada. As pessoas não respeitam nem o professor, quem dirá a sua dor, o seu luto e a sua doença. Começaram a questionar o meu estado, insinuando que eu estava fazendo drama, enrolando para não trabalhar. A depressão, apesar de já ser a doença do século, ainda é considerada como frescura por muitos. Eu tentei continuar, mas não consegui. Há dois anos estou afastada da profissão, depois de sofrer três acidentes de carro gravíssimos. Estou vivendo com o auxílio-doença do INSS, tomando antidepressivos e, sinceramente, eu não sei qual será o meu futuro”, lamenta Flávia.

A professora explica que as instituições exigem a readaptação da função. “Mas eu dei aula a vida inteira. As pessoas querem que você diga que está bem e volte, mas eu não vou voltar. Não tenho condição alguma de conviver com a violência, o medo e o assédio moral. Eu acordei do meu sonho. Uma profissão tão digna, tão importante, com salários absurdamente baixos e que sofre total falta de respeito. Eu estou viva e tenho que estar de pé pelos meus outros filhos. Dois meninos, um de sete e outro de doze anos. Eles sofrem muito por causa da minha depressão, mas eu não tenho como controlar. Tem dia que estou melhor, mas nunca feliz. Os dias são sempre tristes”, desabafa.

Na escola particular, Flávia passou a ser vista pela direção como algo “danoso” aos alunos. “Fui massacrada muito mais na escola particular. Passei a ser vista como algo danoso. Ser mãe de um suicida poderia ser uma má influência para meus alunos. Cheguei ao ponto de um aluno perguntar se meu filho se enforcou e eu confirmei. Na direção pediram pra eu mentir. Pra não afirmar mais. Eu poderia estar influenciando os alunos a cometerem suicídio”, lembra.

Hoje, Flávia dá palestras para professores sobre os problemas que enfrentou e sobre a depressão, que muitas vezes está presente na vida do profissional, mas ele não enxerga. Ela também tem um canal no YouTube onde podem ser assistidos vídeos de suas aulas.

“Eu me desiludi com a profissão, com as pessoas, com as instituições de ensino mais do que com os alunos. Os alunos são a melhor parte disso tudo e eles precisam de muito acolhimento. A relação de professor com aluno não tem que ser respaldada no tecnicismo. Os aspectos emocionais dos alunos também precisam ser avaliados”.

Reféns do medo; de agressões verbais a surtos psicóticos

Impunidade é a regra. Um levantamento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) indicou que o Brasil está em 1º lugar no ranking de violência nas escolas. Pesquisas apontaram que 22 mil professores foram ameaçados no país e houve 4.700 relatos de agressões contra os docentes em 2014.

Os dados de estudos mais recentes da OCDE, feitos com base em depoimentos de mais de 100 mil professores de ensino fundamental e médio, apontam que 12,5% dos professores já foram vítimas de agressões verbais ou de intimidação de alunos pelo menos uma vez por semana no país.

Além da baixa remuneração, sobrecarga e das condições de trabalho, a indisciplina excessiva dos alunos tem feito os professores reféns do medo, explicando o aumento do número de profissionais fora da sala de aula tendo como principais causas a angústia e a fobia que produzem problemas psicológicos graves.

No caso do professor de filosofia e sociologia Luiz Cláudio Silva Castro, de 40 anos, 15 deles dedicados à sala de aula, a sobrecarga de trabalho para garantir uma melhor sobrevivência para a esposa e as filhas o fez ter um surto psicótico partindo para a agressão verbal contra uma aluna.

Há dois anos, ele está afastado de benefício pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) sem previsão de retorno. O professor foi diagnosticado com a síndrome de burnout, um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso. O transtorno também é conhecido como síndrome da exaustão.

Luiz Cláudio era entusiasmado e bem ativo no que diz respeito ao envolvimento nas escolas. Não sabe o que houve com ele, mas acredita que o dom foi perdido. Durante a entrevista, se emocionou várias vezes e, com olhos marejados e demonstrando ainda certo nervosismo ao falar do assunto, confessou ter dificuldades para abordar o tema.

Ele contou que uma psicóloga, de um dos estabelecimentos de ensino onde atuava, o chamou a atenção para uma busca profissional, mas Luiz Cláudio diz que não dava importância por acreditar que não precisava de tanto. O grau de irritabilidade do professor só aumentava e, consequentemente, a desmotivação. Ele trazia consigo a impressão de que o problema era apenas a rotina do dia a dia.

Essa rotina girava em torno de duas faculdades, uma pública e outra privada, e três escolas particulares. Para conciliar, admite que não se alimentava direito e que um lanche rápido no carro seria o suficiente para dar conta do recado.

Ele bem que tentou colocar o trabalho à frente da saúde, mas viu que foi em vão. Seu rendimento despencou até que em um momento em sala de aula, uma aluna o perguntou se estava bem. “Eu estava tão mal, que se o aluno não tivesse aprendido não estava nem aí; comecei a mentir e criar situações para faltar, percebi que a situação tinha fugido do controle e extrapolado todos os limites. Cheguei a agredir fisicamente uma aluna, quando pedi para a turma fazer silêncio e nada ser acatado, coisa que eu nunca fiz”, revelou.

“Só não fui processado porque sabiam da minha conduta e esta aluna me conhecia e reconheceu, bem como a direção da escola, que eu não estava bem”, ressaltou. Poucos meses depois um novo surto o fez pedir demissões de todas as instituições de ensino.

Bomba-relógio: prazer vira aversão controlada por antidepressivos

Considerado um bom professor e de conduta exemplar para os patrões, Luiz Cláudio desistiu de lecionar e, após dois anos afastado das atividades escolares, não se vê mais em sala de aula, nem mesmo como aluno.

Hoje, ele ainda toma três medicamentos antidepressivos e tem um cotidiano de consultas psiquiátricas e psicológicas. “Eu desabei, vivia chorando e amargurado. Minha maior tristeza é não conseguir mais ser professor, tenho dificuldade de participar da vida educacional até das minhas filhas. O universo educacional me incomoda, me bloqueou. Já tentei fazer outra faculdade, mas quando entro na sala me dá aversão impressionante”, frisou Luiz Cláudio.

O professor de filosofia e sociologia foi diagnosticado com depressão, surto psicótico e síndrome de burnout. “Me arrependo muito do que fiz contra a aluna, só não foi pior porque acredito que Deus estava presente na hora. O que acarretou também esses problemas; não só em mim, mas em tantos outros colegas de profissão; é essa falta de respeito no dia a dia. Sofri muitas agressões verbais, perdi o encanto pela educação, algo pelo que eu tinha extrema paixão”, destacou, emocionado, remetendo-se ao que era e como está atualmente.

“Tenho vergonha, sei que muitas pessoas não entendem, julgam como ‘safadeza’ e tenho a certeza comigo de que não procurei ajuda antes justamente por esse julgamento. Outro ponto humilhante é na perícia quando perguntam se já não está na hora de voltar. Devolvo a pergunta: o senhor confia em eu dar aula para o seu filho?”, mencionou.

Para Luiz Cláudio, o que mais incomoda é a omissão das instituições de ensino, a submissão do professor, a exploração nas escolas, a ausência da família e a falta de respeito dos alunos. E esses foram os principais pontos que também geraram a situação degradante dele.

Luiz considera que foi uma bomba-relógio que explodiu. “É um desgaste emocional grande. Todos os dias sabe-se que existem professores que estão fazendo alguma coisa para sair de sala de aula. Tenho colegas professores fazendo outros cursos para desistir de lecionar. Nos concursos, por exemplo, da polícia, perde-se muitos professores para a segurança pública, isto é, deixam o dom de lado e passam para a função de punir aqueles que não tiveram a oportunidade de serem educados”, afirmou.

“Observo que a ausência familiar é o foco da violência nas escolas. Há muitos alunos perdidos por esta razão, eles não têm apoio. A própria família tem essa concepção. Para se ter uma ideia, já tive aluno o qual os pais passaram fila durante a prova pelo lado de fora da sala. Quando vi, não acreditei. Os pais não querem saber se o filho aprendeu, se pagam deve passar de qualquer jeito. A educação precisa ser repensada ou vão perder cada vez mais professores”, lamentou.

“Para ir ao banheiro é preciso pedir ao fiscal para que fique na sala porque corre o risco do professor voltar e um aluno ter matado o outro. A situação é complexa e de guerra e quando parte para a rede pública o cenário é ainda pior”, salientou.

“Sonho de lecionar torna-se pesadelo no sistema educacional do Brasil”

A psicóloga Sarah Lopes diz que os casos de professores exaustos com a pressão do dia a dia no trabalho são cada vez mais comuns nos consultórios de psicologia e psiquiatria. “A síndrome de burnout atinge especificamente profissionais que passam por determinadas pressões. Inicialmente, esta síndrome era utilizada somente entre os policiais, vigilantes, eletricistas, que são categorias que estão em contato frequente com o perigo, porém os professores atualmente se incluem nesta síndrome. Quando falamos em sonhos, existe uma idealização de que vai conseguir realizar e da melhor forma, entretanto, quando se depara com o sistema educacional do país, o sonho acaba se tornando um pesadelo, gerando frustrações diante da sua atuação limitada”, explica.

Para a profissional, atualmente, percebe-se que os alunos, as crianças e adolescentes, possuem seus direitos preservados e assim deve ser feito, entretanto é preciso ressaltar também seus deveres e estes deveres devem vir de casa. “A educação escolar deve ser pedagógica, a moral e os princípios são valores que devem ser trazidos de casa. Ocorre, neste contexto, uma mudança cultural capitalista, ou seja: pago, logo exijo! Diante deste conceito, adquire-se a ideia de que os professores são vistos como mercadorias que vendem o tempo e disponibilidade em sala de aula e se os pais das crianças é que pagam, logo elas têm que passar e se não aprendem é culpa única e exclusivamente do professor”, opina a professora, quando fala sobre a violência sofrida dentro da sala de aula.

“Sabe-se que essa ideologia não partiu das crianças, mas elas a detém, transformando isso em rebeldia e violência dentro da própria sala de aula sem que o processor possa exercer a sua autoridade que é a nota. Sem sua arma, como o professor poderá exercer seu poder em sala de aula?”, continuou.

Para Sarah Lopes, a solução do problema está na mudança do conceito social. “Existe solução sim, mas todos os envolvidos devem estar engajados nesta mudança. Os pais devem interferir sempre que possível conferindo aos professores a autoridade que lhes foi tirada. Deixando claro para as crianças e adolescentes que eles devem fazer a sua parte. Frequentemente, mesmo quando não se consegue tirar boas notas, seu bom comportamento faz com que o professor atente para aquele aluno. Os professores conseguem perceber quem está na sala de aula comprometido, e se esforça ainda mais para que o seu conteúdo possa ser compreendido”, opina.

Para a psicóloga, o professor precisa, do mesmo modo, fazer a sua parte. “E se tem consciência do dever cumprido, não pode baixar a cabeça para os pais ou alunos. Entretanto, quando se fala em violência escolar, se for necessário ajuda policial, este solicitará, e ainda intervenção do Estado ou de outro órgão de competência como Conselho Tutelar, este deve utilizar de todas as armas possíveis para que possa exercer aquilo que se propõe”.

Cartilha aponta principais problemas que afetam categoria

Com o objetivo de informar e chamar a atenção dos professores e sociedade em geral, uma cartilha está sendo produzida pelo Sinpro/AL em parceria com o Ministério Público do Trabalho em Alagoas (MPT/AL) mostrando os principais problemas psicológicos da categoria após uma violência sofrida, que incluem síndrome do pânico, bem como depressão, medo, esgotamento físico e mental pela síndrome de burnout.

TIPOS DE AGRESSÕES

Vertical – parte do empregador para o empregado, ou seja, superior hierárquico, não se restringindo ao patrão, mas também ao supervisor, coordenação, orientação.

Horizontal – parte de professor para professor, que comunga do mesmo comportamento do empregado.

A presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de Alagoas, Bárbara Heliodora, disse que há cerca de 300 escolas em todo o Estado, porém apenas 70 são sindicalizadas. Ela colocou que desconhece que nas escolas sindicalizadas haja agressão por parte de superiores hierárquicos contra professores.

“A escola tem uma clientela e ninguém quer ver seu nome estampado na imprensa porque um diretor, coordenador ou até mesmo outro funcionário da esfera administrativa tenha tratado o aluno ou os pais com agressão”, ponderou.

Bárbara reconheceu que existam agressões, mas que não ocorreu nenhuma notificação no ano passado com relação a este tipo de violência. “Há muitos casos de alunos contra professores, inclusive no interior pelos mais diversos fatores”.

A postura da escola, segundo a sindicalista, é que quando existe de aluno para professor e o discente é menor de idade, o Conselho Tutelar é acionado para que o estudante seja chamado à atenção dentro da legislação pertinente por não haver razão dele ficar impune diante da situação. Quando maior de idade, o sindicato orienta que seja feito um boletim de ocorrência e, em alguns casos, o aluno é expulso.

Bárbara Heliodora ressaltou que a família deve estar presente e comungar de todas as ações educativas da instituição a qual ela matriculou o seu filho. As escolas têm propostas pedagógicas e nem sempre o aluno navega tranquilo dentro da proposta do regimento, caso seja necessário um instrumento legal para controlar ou contornar a situação dentro do contexto escolar. “A escola recebe vários tipos de alunos e cada um com a sua educação doméstica, a função dela é aglutinar a adversidade e ainda colocar para o aluno a educação científica para que no final do ano se tenha um resultado”, explicou.

Com subnotificação, números não refletem realidade

Um levantamento do Sindicato dos Professores do Estado de Alagoas (Sinpro/AL) indica um dado seríssimo envolvendo a categoria. De fevereiro a dezembro de 2017, foram 25 denúncias de assédio, os casos mais graves giram em torno de seis com depressão, sendo dois detectados como síndrome de burnout, dois em estado de depressão avançada e dois com tendência suicida.

No ano passado foram apenas oito denúncias quando comparado com o mesmo período. Sem normas de segurança preconizadas pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), esses profissionais se submetem ao que a escola e, consequentemente, o alunado impõem.

O presidente do Sinpro/AL, Eduardo Vasconcelos, é enfático quando afirma que esse número é mascarado, haja vista que muitos professores, por medo de represálias, silenciam. “Este paradigma está sendo quebrado aos poucos, fazemos muitas campanhas no sentido do apoio a estes profissionais, para que eles não se calem diante da imposição dos patrões”, ressaltou.

O cenário da rede pública de ensino é ainda mais dramático. Segundo o sindicalista, o estabelecimento que comumente está localizado nas periferias das cidades traz à tona a questão do tráfico de drogas e armas de fogo o que acaba refletindo na escola, no trabalho do professor e na qualidade da educação.

Já quanto à condição da rede privada há a questão da subnotificação, porque, de acordo com Vasconcelos, muitos profissionais estão afastados não por acidente de trabalho, mas sim por doença. “Muitas vezes a escola não dá a devida atenção ao professor no que diz respeito ao ambiente saudável tanto do lado físico quanto do psicológico e os profissionais acabam adoecendo”, mencionou Eduardo.

Nas escolas particulares, situação que se amplia para as faculdades, destacam-se as agressões, que se caracterizam como vertical e horizontal, isto é, entre professores, direção e coordenação, além do alunado.

Para ele no sentido literal da palavra, a escola se transformou numa empresa, e como toda boa empresa, o estabelecimento de ensino deve garantir o seu resultado. “Cresceram 100% as agressões contra professores. Já houve vários Boletins de Ocorrência (BO’s) de professores por ameaças de alunos, quer dizer, virou caso de polícia com direito a viatura na porta da unidade de ensino e tudo mais”, observou em tom de tristeza.

Vasconcelos lembrou um fato recente envolvendo um grupo de professores e o dono de uma escola que fechou na parte alta de Maceió. “Os profissionais estavam sendo ameaçados pelo dono quando iam cobrar os seus direitos, inclusive salários. Eles eram acompanhados (seguidos) pelo proprietário da escola até o ponto de ônibus como uma espécie de intimidação”, revelou o sindicalista. Os referidos professores tiveram que recorrer à Justiça para garantir seus direitos.

Site revela que maioria de professores já sofreu violência

Professores que lecionam do 5º ao 9º ano em escolas publicas e privadas responderam a questionamentos do portal Qedu e a maioria diz já ter sofrido violência física e verbal dentro da sala de aula. Em Alagoas, 46% dos mais de 4 mil entrevistados afirmaram que foram agredidos por alunos dentro da sala de aula. 74% já presenciaram alunos agredindo outros alunos.

Os educadores foram perguntados também sobre já terem sofrido algum atentado contra a vida, e 94 deles confirmaram. 352 já sofreram ameaça dos alunos.

Os professores também responderam questões relacionadas a roubos e furtos dentro das escolas e, dos entrevistados, 134 já foram vítimas de furto sem violência. 40 entrevistados foram roubados com o uso da violência.

Muitos professores também comentaram que têm de lidar com alunos alcoolizados, consumidores de drogas ilícitas e até armados. 235 professores relataram que alunos frequentam suas aulas sob efeito de álcool. 368 professores têm de lidar com estudantes sob efeito de drogas ilícitas e 168 professores já tiveram alunos portando facas ou canivetes dentro da sala de aula. 44 dos professores entrevistados já tiveram que lidar com aluno portando arma de fogo.

O QEdu é um portal aberto e gratuito, com todas as informações públicas sobre a qualidade do aprendizado em cada escola, município e Estado do Brasil. Ele oferece dados da Prova Brasil, do Censo Escolar, do Ideb e do Enem de forma simples e acessível a qualquer um, seja estudante, professor, gestor, jornalista, pesquisador ou secretário.

Estado possui 88 afastados; sindicato contesta números

A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) informou por meio de nota, que atualmente possui 88 professores afastados das escolas com patologias diversas, e 246 professores readaptados, ou seja, afastados de suas funções por um tempo, porém trabalhando, obedecendo às restrições do laudo expedido pela Perícia Médica quanto às suas funções.

A Seduc disse ainda que não tem como precisar o número dos que estão afastados por problemas psicológicos, tendo em vista que as causas de afastamento não podem ser divulgadas em virtude de proibição do Conselho Federal de Medicina existente na resolução CFM 1.819/2017, que diz o seguinte:

“Proíbe a colocação do diagnóstico codificado (CID) ou tempo de doença no preenchimento das guias da TISS de consulta e solicitação de exames de seguradoras e operadoras de planos de saúde concomitantemente com a identificação do paciente e dá outras providências”. RESOLUÇÃO CFM nº 1.819/2007 (Publicada no D.O.U. 22 maio 2007, Seção I, pg. 71).

Questionada acerca da existência de alguma estratégia de mediação de conflitos, a Seduc declarou que realiza o acolhimento ao servidor, orientações quanto à licença médica e readaptações, além de campanhas educativas, a exemplo do programa Escolha a Calma.

Concluiu acrescentando que dispõe também da escuta qualificada das partes, bem como o encaminhamento aos Centros de Acompanhamento Psicológico Social – CAPS.

Em 2017, a rede municipal de ensino contabilizou até o momento cerca de  847  professores afastados por licença médica motivada por diversos problemas de saúde.

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) ressaltou que esse dado inclui licenças por afastamentos e readaptação de função. Já no que diz respeito aos dados de servidores readaptados que englobam professores e administrativo, a rede contabilizou cerca de 472 até dezembro deste ano. Desse total, por volta de 80% são professores. O quantitativo é aproximado, visto que a estatística de 2017 ainda não foi finalizada.

NÚMEROS FANTASIOSOS

Para Consuelo Correia, presidente do Sinteal (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Alagoas) os números da SEE e Semed são fantasiosos e não refletem a realidade. “Como é que num Estado com mais de 300 escolas só tenha 88 professores afastados no geral? Com certeza não é somente isso, o Estado inteiro apresentar 10% do quantitativo do município de Maceió”, frisou.

Consuelo acredita que a questão da educação é sistêmica e complexa e vai muito além da sala de aula. “A situação indissociável para que possa melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores é um ponto que praticamente não é tratado nas pautas de reivindicação, mesmo que nós cobremos a condição do trabalhador envolvendo acústica, segurança, cultura de paz. Então são vários elementos, hoje as crianças passam o dia longe da família o que acaba sobrando para o professor, que passa a ser psicólogo, assistente social, educador, então é uma sobrecarga que toma para si, o que acaba no adoecimento, sem contar com as ameaças verbais de alunos”, explicou.

Trabalhar a comunidade

De acordo com a presidente do Sinteal, trabalhar a comunidade escolar é de fundamental importância para que ela tenha o sentimento de pressentimento da situação escolar, inclusive para não deteriorar aquele patrimônio que é de todos. “Somos desvalorizados e sem prestigio social, os cursos de licenciatura são os mais esvaziados. Apesar de se ter o mesmo grau de escolaridade de nível superior dos demais profissionais, tendo como exemplo, o concurso da educação daqui do Estado, são 850 vagas para professor com nível superior com jornada de 30 horas, com salário de menos de R$ 2.500, enquanto existem profissionais no judiciário com o nível médio ganhando R$ 7 mil e não levam trabalho para casa”, salientou.

“É uma desvalorização sem igual com uma profissão que forma todas as demais. Essa política de desvalorização é proposital e tudo o que o governo quer, porque o espaço educacional tem um empoderamento. As propagadas midiáticas não condizem com a realidade e ainda não saíram do papel. A impotência é vista como regra pelos que lecionam, e não temos muito o que fazer, há uma desmotivação generalizada”, observou.

Fonte: Tribuna Independente / Ana Paula Omena e Thayanne Magalhães

Sinpro/AL cobra salários atrasados de colégio na Justiça

O Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL) através da sua assessoria jurídica ingressou com uma ação na Justiça do Trabalho contra o colégio São Judas Tadeu, localizado na Serraria, em Maceió, cobrando os salários atrasados dos professores. A mesma ação ainda pede que o FGTS e as verbas previdenciárias dos docentes também sejam quitadas.

O processo de número 000008-82.2018.5.19.0004 terá sua audiência no dia 21 de fevereiro.

A diretoria do Sinpro/AL adverte que está sendo realizado um levantamento das escolas que estão com os salários atrasados, assim como o FGTS e as verbas previdenciárias dos professores para que assessoria jurídica da entidade classista tome as providências cabíveis.

SAIBA MAIS

Ainda no mês do novembro, 2017, o Sinpro/AL pediu para o colégio São Judas Tadeu apresentasse as cópias dos holerites dos professores dos últimos quatro meses comprovando a quitação do pagamento salarial, além dos demais documentos que demonstrassem o recolhimento do FGTS e INSS dos professores.

O estabelecimento de ensino teve um prazo de cinco dias para que os documentos fossem entregues com as devidas comprovações.

Agora, o colégio São Judas Tadeu irá responder no rigor da Lei Trabalhista.

Somos professores com orgulho e exigimos respeito!

Acompanhe o caso: http://sinpro-al.com.br/v2/?p=4835

 

 

 

 

Janeiro Branco: projeto enviado pelo Sinpro/AL é apresentado por deputado e vira Lei

Eduardo Vasconcelos (E) e Ronaldo Medeiros (D)

O presidente do Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL), Eduardo Vasconcelos, encaminhou ainda em 2017 o Projeto de Lei ao deputado estadual, Ronaldo Medeiros, que dedica o mês de janeiro para ações educativas sobre saúde mental. Assembleia aprovou o PL, e governador Renan Filho sancionou a Lei.

O presidente do Sinpro/AL, Eduardo Vasconcelos, parabenizou ação do deputado Ronaldo Medeiros, que valorizou o Projeto “Janeiro Branco”, que tem inspiração na campanha Outubro Rosa, que visa combater o câncer de mama. Em janeiro de 2013 psicólogos mineiros idealizaram o “Janeiro Branco” para promover ações em prol da saúde mental.

A campanha Janeiro Branco alerta para estatísticas alarmantes de doenças mentais e o alto índice de suicídio. A dinâmica do mundo moderno gera muitas inquietações e a sociedade tem o hábito apenas de fazer o trabalho preventivo e curativo do físico, mas também é necessário se preocupar com a saúde mental, um dos pontos de equilíbrios do cidadão.

Além da iniciativa do “Janeiro Branco”, o Sindicato dos Professores de Alagoas conta com o Núcleo de Apoio Psicológico (NAP), que serve para assistir os docentes filiados a entidade classista. Saiba mais: http://sinpro-al.com.br/v2/?p=2803

Somos professores com orgulho e exigimos respeito!