Notícias Sinpro-AL

Sinpro/AL irá participar de audiência sobre programas de formação sindical

O Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL) foi convidado para participar de audiência que será realizada na próxima sexta-feira, 22/09, na sede da PRT da 19ª Região, em que será discutido com entidades classistas, federação e centrais sindicais atividades conjuntas entre o movimento sindical e o MPT, bem como, meios de realização de programas de formação sindical por parte dos sindicalistas e dos trabalhadores, como um modo de fortalecimento das lutas sindicais e sociais.

Desde já a diretoria do Sinpro/AL garante presença no evento e entende que esse tipo de discussão fomenta a defesa e ampliação dos direitos dos trabalhadores.

Somos professores com orgulho e exigimos respeito!

 

 

 

Academia oferta descontos para nossos filiados

O Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL), possui convênio com a academia Prem1um Fitness que neste mês está completando aniversário e trazendo uma oportunidade com muitos descontos para nossos filiados.

Confira a promoção:

De 19 a 30 de setembro, o beneficiário do convênio Prem1um Fitness ganha 10% de desconto na matrícula e mais 30 dias de graça. A promoção é válida para planos novos, renovações, renovações antecipadas e rematrículas.

A Prem1um Fitness fica localizada na Rua Jangadeiros Alagoanos, 1556, no bairro de Ponta Verde, em Maceió.

Mais informações: (82) 3316-2916/WhatsApp 99922-0027  http://www.prem1umfitness.com.br

Professores de faculdade podem entrar em greve

Ainda em 2016: os diretores do Sinpro/AL, Marcelo Porto e Eduardo Vasconcelos participaram de ato em defesa dos professores. Problema de atraso salarial se repete em 2017

Os professores da Faculdade São Vicente de Pão de Açúcar (Fasvipa) decidiram durante assembleia no Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL) suspenderem por tempo indeterminado a greve realizada na instituição. Os docentes reclamam dos salários atrasados e a falta de posicionamento do estabelecimento de ensino em relação a problemática.

Na mesma assembleia ficou decido que os professores estão com as atividades paralisadas entre os dias 18/9 e 22/9 para que a diretoria da Fasvipa se posicione.

Após o encerramento do movimento de paralisação, uma nova assembleia na sede do Sindicato dos Professores de Alagoas, em Maceió, será realizada para que os professores analisem a proposta da Faculdade e possam decidir pela deflagração da greve por tempo indeterminado ou ao retorno das atividades.

A diretoria do Sinpro/AL expressa sua solidariedade aos professores da Fasvipa e apoia a decisão dos docentes que será tomada na próxima sexta-feira, 22/9.

Somos professores com orgulho e exigimos respeito!

Em defesa da educação laica e democrática

O Fórum Estadual Permanente da Educação de Alagoas que congrega dezenas de entidades e instituições da área educacional e que teve papel relevante na elaboração do PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE ALAGOAS 2015-2025, assessorando tecnicamente a Assembleia Legislativa de Alagoas, o que resultou na Lei Estadual nº 7.795, de 22 de janeiro de 2016, vem a público lamentar os recentes episódios de discórdia e incitação à violência que envolveu um parlamentar da Assembleia Legislativa de Alagoas e uma escola pública de São José da Tapera, o que resultou em ameaças e riscos para a escola e professores.

A escola em questão desenvolveu um projeto com a comunidade escolar sobre  Identidade de gênero e diversidade sexual e foi execrada e exposta publicamente por um parlamentar que expressou sua irresignação contra a Ordem Democrática instituída pela Constituição Federal de 1988, e contra o Estado Laico.

O pronunciamento e os atos que o seguiram, com base no Art. 12 da Lei 7.795/16, representam o pensamento obscurantista, anticientífico e antidemocrático, e um evidente cerceamento da liberdade científica no âmbito escolar. O referido artigo é INCONSTITUCIONAL, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), por meio da ADPF nº 461, em lei do Paraná com idêntico conteúdo, assim como seu mérito também foi objeto de análise da ADI 5537, com liminar concedida pelo Excelentíssimo Ministro Luís Roberto Barroso, que declarou favorável à inconstitucionalidade da Lei da Mordaça, cujo teor é semelhante.

Vale dizer, que o art. 12 do PEE, objeto de questionamento desde sua proposição, que indevidamente proíbe políticas, nomes sociais e abordagens educacionais relacionadas às questões afetivo-sexuais, de gênero e de diversidade sexual, afronta diversos princípios da Constituição Federal, como o princípio da construção de uma sociedade livre, justa e solidária (art. 3º, I); o direito à igualdade (art. 5º, caput); a vedação à censura em atividades culturais (art. 5º, IX); a laicidade do Estado (art. 19, I); a competência privativa da União para legislar sobre diretrizes e bases da educação nacional (art. 22, XXIV); o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas (art. 206, I) e o direito à liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber (art. 206, II).

Esclarece ainda à sociedade, que o FEPEAL fará uso de todos os meios democráticos e legais cabíveis para a defesa de uma educação emancipadora e nos moldes preconizados pela Constituição Federal (Arts. 205 e 214, IV), promovendo o pleno desenvolvimento da pessoa, a sua capacitação para a cidadania, bem como o desenvolvimento humanístico do País, utilizando-se de todos os instrumentos junto à Assembleia Legislativa, à Secretaria de Educação/Governo do Estado e ao Judiciário.

Nossa expectativa é que os Poderes constituídos não cedam às pressões de grupos de interesse privados em detrimento dos direitos individuais, sociais e coletivos, rejeitem toda forma de censura, de discursos discriminatórios, de ódio e incitação à violência, e defendam a Liberdade como bem maior de cada pessoa.

Por uma educação laica e democrática!

*O Sindicato dos Professores de Alagoa (Sinpro/AL), como membro do Fapeal, subscreve a referida nota.

 

Cópias dos contracheques devem ser entregues aos docentes

Após a homologação da Convenção Coletiva do Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL) os estabelecimentos de ensino básico serão obrigados a pagar os vencimentos dos educadores através de “conta salário” já no mês de dezembro.  Vale salientar que uma cópia do contracheque, por força de Lei, deve se entregue ao docente.

A diretoria do Sinpro/AL adverte que se a cópia não for repassada pelo estabelecimento de ensino a entidade classista pode representar a mesma no Ministério Público do Trabalho ou ingressar com uma ação de descumprimento de Convenção Coletiva na Justiça do Trabalho.

As medidas acordadas através de Convenção Coletiva, defendidas pelo Sinpro/AL, visam coibir os atrasos e a falta de pagamentos dos estabelecimentos de ensino, casos que são narrados com frequência através dos nossos canais de comunicação com os educadores.

Somos professores com orgulho e exigimos respeito!

O que é contracheque? Por que é importante exigi-lo?

Contracheque, também conhecido como holerite, é um documento que o trabalhador recebe no final do mês, com todos os valores descontados e pagos mensalmente no salário, FGTS e horas trabalhadas, descritos. É importante que você exija seu contracheque para comprovar os seus recebimentos ou a falta deles, garantindo o que é seu por direito!

 

Em breve mais uma parceria do Sinpro/AL para sua diversão!

O Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL), está fechando mais uma parceria para diversão de seus filiados.

O espaço Lindóya Parque é um ambiente rodeado pela natureza da Mata Atlântica e águas minerais.

A área de lazer possui:

  • Piscinas,
  • Campos de Futebol;
  • Salão de Jogos;
  • Banho de Bica;
  • Estacionamento Privativo;
  • Portaria informatizada;

Os filiados ao Sinpro/AL terão um desconto especial para serem sócios e na entrada de acesso ao parque.

Essa é mais uma parceria trabalho do Sindicato para proporcionar momentos de lazer para o sindicalizado e seus familiares.

 

O Lyndóya é um dos mais tradicionais clubes de Alagoas e fica localizado no município de Satuba.

(Lindóya Parque – Satuba/AL)

 

 

 

 

 

 

 

Somos professores com orgulho e exigimos respeito!

Sinpro Saúde: Alerta para obesidade!

Em um artigo divulgado pela Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, um estudo realizado mostra que  a categoria dos professores, também é atingida pela obesidade.

O estudo revela que para os professores, os comportamentos negativos, no componente nutrição e atividade física, têm sido demonstrados como os de maior frequência, mesmo em diferentes regiões do país. As mudanças nas condições de trabalho de muitas categoriais profissionais, em especial a docente, contribuíram para o  desenvolvimento de doenças relacionadas ao estilo de vida, dentre elas a obesidade.

As características do ambiente da escola, que envolvem infraestrutura inadequada, escassez de equipamentos e manutenção dos mesmos, recursos humanos insuficientes, alto volume de atribuições burocráticas, exigências constantes de qualificação profissional, número elevado de alunos por turma, baixos salários, desvalorização profissional, baixo controle das atividades laborais e suporte social reduzido ou inexistente têm sido fortemente estudados como fatores para problemas na saúde docente.

Como acontece a obesidade?

Na maioria dos casos a obesidade acontece quando o indivíduo passa a comer compulsivamente, em busca de um prazer instantâneo para compensar algum problema ou insatisfação que esteja vivendo. No caso dos professores, as más qualidades de trabalho, insatisfação e stresse são um dos motivos que podem levar o profissional á essa situação. Essa doença traz consigo outros riscos para a saúde, como a hipertensão, diabetes, problemas de coração e câncer.

Uma das formas para prevenir a obesidade é ter uma nutrição adequada atrelada a prática de atividades físicas. Confira no vídeo abaixo algumas dicas para evitar essa doença:

 

Artigo Publicado: Sobrepeso/obesidade em professores:
prevalência e fatores associados

link: http://www.scielo.br/pdf/rbcdh/v17n4/pt_1415-8426-rbcdh-17-4-0450.pdf

Sinpro/AL fecha parceria com clínica odontológica

O Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL) firmou mais uma parceria para beneficiar os professores sindicalizados. Agora a Alagoas Orto Clínicas Odontológicas  irá levar descontos especiais para os docentes e seus dependes.

A clínica especializada em tratamentos odontológicos oferece seus serviços da seguinte formar:

Tratamento ortodôntico: R$ 58,00 / Tratamento clínico e ortodôntico: R$ 70,00.

A Alagoas Orto Clínicas Odontológicas  atendeem Maceió e Arapiraca nos respectivos endereços:

Av. Santa Rita de Cássia, 131, Praça Centenário,  no bairro do Farol (Maceió)  e Av. Rio Branco, 185, Centro (Arapiraca).

Mais informações:  3338-4848

Após denúncia  do Sinpro/AL, MPT vai investigar escola de música

Após denuncia do Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL), o Ministério do Público do Trabalho (MPT) abriu um inquérito civil, 270/2017, para investigar o desvirtuamento da condição de autônomo dos professores da escola de música Villa Lobos, localizada na Ponta da Terra, em Maceió. Os educadores estavam sem carteira assinada, apenas assinando um tipo de contrato de trabalho, que por sua vez não tinha validade jurídica.

O estabelecimento de ensino demonstra, assim, a descaracterização do contrato de trabalho e por conta disso o procurador do Trabalho, Victor Hugo, irá apurar os fatos através do IC.

Caso as investigações comprovem a irregularidade, a escola Villa Lobos será obrigada a assinar as Carteiras de Trabalho de todos os professores de música.

A diretoria do Sinpro/AL e sua assessoria jurídica seguem acompanhado o caso para que todos os direitos dos trabalhadores sejam resguardados.

Somos professores com orgulho e exigimos respeito!

Diretores do Sinpro/AL participam do Chá de Memória da emancipação 

Vasconcelos, Majela e Mota

Esta semana marca a aproximação dos 200 anos de emancipação política de Alagoas e o Arquivo Público do Estado escolheu o ilustre alagoano Octávio Brandão para mais uma edição do Chá de Memória. Na terça-feira (12), estudantes, professores e público em geral ouviram explanações e curiosidades sobre a vida e obra do polivalente Brandão pelo testemunho de sua neta Marisa Brandão. Quem marcou presença no encontro cultural e histórico foram Eduardo Vasconcelos, presidente do Sindicato dos Professores de Alagoas, e José Nivaldo Mota, vice-presidente.

Geraldo Magela, curador do projeto, e um dos palestrantes, disse que Octávio  Brandão esteve associado a grandes lutas do comunismo e da política brasileira.

Explanação de Majela durante o Chá de Memória

“O Chá de Memória é um marco de uma nova conduta de aproximação adotada pelo Governo de Alagoas, por meio do Arquivo Público, possibilitando uma relação mais direta com a comunidade alagoana”, disse Wilma Nóbrega, superintendente do Arquivo Público.

Quem foi Octávio Brandão 

Octavio Brandão é um desses alagoanos que marcaram sua época. Foi o primeiro pesquisador a realizar um mapeamento sobre a mineralogia e a geologia do complexo estuário lagunar Mundaú/Manguaba.

O pesquisador, em 1917, um jovem com 21 anos de idade, embrenhou-se pelos canais das lagoas Mundaú e Manguaba e após percorrer centenas de quilômetros a pé, de canoa e em lombo de cavalo – mantendo contato com as populações, inclusive com os indígenas -, escreveu três ensaios científicos e apresentou-os ao público em três conferências sobre a mineralogia e a geologia dos Canais e Lagoas (textos publicados em 1918).

O livro Canais e Lagoas, sua principal obra, foi escrito em Maceió em 1918 e publicado no Rio de Janeiro em 1919. Esta obra é um roteiro geográfico dos canais e lagoas e suas povoações, além de ser o mais significativo e detalhado registro da Mata Atlântica entre os municípios que compõem a região lacustre alagoana.

As pesquisas desenvolvidas por Octávio Brandão serviram como referência para outros estudiosos de botânica, antropologia, sociologia, história e ecologia que vieram nas décadas seguintes.

*Com informações da Agência Estado